Balança mas não cai

Inovações de encher a boca mantêm a categoria à frente de candies tradicionais

Drops e pastilhas segmentos juntos abocanham mais de 80% da demanda de DPC no varejo.
A fotografia sem retoques da categoria de drops e pastilhas no Brasil mostra uma demanda tradicionalmente associada a impulso e refrescância. Para ativar a compra não programada, as ações acompanham em regra estratégias e ferramentas implementadas no ramo geral de candies, a exemplo de displays, embalagens e formatos atraentes. Mas é na ala das formulações, envolvendo sabores, texturas, cores e inovações como ingredientes funcionais (edulcorantes, vitaminas e fibras), que se observam os mais recentes avanços. No passado, drops e pastilhas eram diretamente associados a agentes promotores de bom hálito. Esse conceito, no entanto, tem sido superado, sem prejuízo para o chamado marketing da refrescância. Na realidade, os fabricantes agora apostam em aromas e sabores complementares, multiplicando no mix o número de versões mais suaves e frutais ou, de outro lado, mais ácidas e exóticas ao paladar. Essa tendência inclui a incorporação de artifícios para atrair consumidores ligados mais em indulgência

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório