A nata paulista

Lançado em 2007, o Prêmio Doce Revista (PDR) introduziu a proposta inédita no gênero de ser um meio eficaz para todos os segmentos do setor terem uma avaliação concreta de seu desempenho e imagem. Isso só poderia se concretizar a partir de votos dados aos melhores em cada ramo de atuação, com a indústria elegendo os representantes do trade e vice-versa. Como mudança e inovação são as ferramentas que movem todo o setor doceiro, o PDR também incorporou esse DNA a partir de suas duas últimas realizações e também nesta sua sétima edição. Ao invés do reconhecimento à excelência na produção, a premiação foi fracionada tanto em sua abrangência como na metodologia de seleção, visando homenagear apenas os mais conceituados operadores atacadistas. Para consolidar essa mudança introduzida na edição do prêmio de 2014, a eleição e entrega também foram regionalizadas. Nesta edição do PDR, mais uma vez são os atacados e distribuidores da cidade e do estado de São Paulo, maior centro de produção e consumo do país, os eleitos para receber a homenagem. Pesquisas de opinião são em geral levadas a cabo para identificar oportunidades, tendências e hábitos de consumo. Desde a criação do PDR, a indústria e o trade doceiros eram convocados a vivenciar uma inversão nos papéis. Dessa forma, os melhores profissionais, produtos e operações emergiam através de pente-fino levado a cabo em âmbito nacional por consultorias independentes encarregadas dos trabalhos de campo. Desta vez, os operadores do mercado paulistano e paulista de confectionery foram reconhecidos pela

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorBatata macanuda, tchê!
Próxima matériaEdição 252