Lição bem feita

Lapadoces sobressai na cena doceira da zona oeste paulistana com cursos de culinária

Há cerca de 20 anos a demanda de doces já era bem guarnecida no bairro paulistano da Lapa. A fama comercial do distrito, por sinal, já vinha de décadas anteriores. Essa condição contribuiu para a região ostentar hoje um dos mais altos IDHs (Índice de Desenvolvimento Humano) da cidade – na escala de 0 a 1, atinge 0,941. Em 1997, o comerciante Antônio Claus Morato abriu as portas da Lapadoces. Na época, o estabelecimento de cerca de 300 metros quadrados sobressaía apenas pela localização, na rua Tenente Landy, na Lapa de Baixo, próxima à estação de trem. “Começamos a operar com a estrutura que herdamos do comércio ali estabelecido,” rememora o atacadista. À época, os depósitos e distribuidoras espalhados pelo bairro iniciavam a transição de atacado de balcão para o sistema cash and carry (autosserviço). Dando um passo a mais, a Lapadoces agregou um centro de culinária e iniciou uma programação de afamados cursos de chocolateria e doçaria. Através das aulas de confeitaria doce e salgada, a Lapadoces construiu um elo de fidelidade no fornecimento de ingredientes e apetrechos culinários com uma clientela crescente, levando o estabelecimento a uma expansão vertiginosa. O sortimento disponibilizado, especialmente de chocolate em barra (coberturas, compounds) para fabricação de confeitos, pasta americana e itens decorativos, além dos apetrechos para confeitar (espátulas, cortadores, medidores) e objetos culinários (marcador de pasta americana, bisnagas plásticas, bicos e pincéis) transformou a distribuidora em um polo doceiro na região. Essa atividade é, até hoje, uma das principais fontes de receita

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório