Consumo com a mão no freio

Provedora global de informações e insights sobre o que os consumidores assistem e compram, a consultoria Nielsen investigou no primeiro semestre as variações de volume, valor e preço de 137 categorias de produtos de consumo de massa, em todas as regiões do país. O resultado desse pente-fino pode ser conferido no estudo Tendências 1º Trimestre de 2014, divulgado no início de agosto. De um modo geral, apesar de alguns pontos positivos apresentados no cenário econômico, como a redução do desemprego (5%), a queda da inadimplência (4,4%) e o aumento da renda real (3%), os brasileiros apresentaram uma redução de 2,5% na intenção de consumo no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano anterior. Essa mudança no comportamento é associada ao aumento da inflação (2,9%), ao comprometimento da renda (0,3%) e ao endividamento crescente (4,7%). Diante desse cenário, a classe C foi o público mais afetado em sua vida financeira, pois apresenta, em média, um gasto 15% superior à sua renda mensal. Embora a classe A/B seja quem mais contribuiu para o crescimento em 2014, a classe C ainda é o principal grupo consumidor, confirma a sondagem da Nielsen. No primeiro trimestre, o público em geral reduziu as idas aos pontos de venda (3,6%), mas aumentou o tíquete médio gasto (8,2%). Por esse motivo, praticamente todas as cestas analisadas pela empresa apresentaram um crescimento em valor em comparação com o mesmo período de 2013. Bebidas alcoólicas cravaram alta de 15,6%, enquanto bebidas não alcoólicas, que é tema da reportagem

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorSorriso saudável
Próxima matériaMovimento 3 por 1