Avanços da certificação

Relatório da Cargill aponta melhorias na vida de fazendeiros de cacau no Brasil

Cacau nacional crescimento de 135% de fazendas certificadas.
Processadora de cacau número um do Brasil, a Cargill divulgou em maio a segunda edição do relatório global de seu programa Cargill Cocoa Promise, destacando os avanços alcançados em diversos países das atividades voltadas para o desenvolvimento da produção de cacau, apoio às comunidades produtoras e capacitação de fazendeiros. No Brasil, o programa foi implementado por meio de parcerias, hoje já consolidadas, que visam, principalmente, a produção sustentável dessa cultura, resume Rodrigo Melo, gerente de originação de cacau e chocolate da companhia. Ele frisa que a Cargill é pioneira no país no desenvolvimento da certificação UTZ com o cacau, implementando o rigoroso código de conduta referente às melhores práticas agrícolas e atendimento às legislações ambientais e trabalhistas. A UTZ é um programa de certificação mundial que estabelece normas para garantir a produção agrícola e o fornecimento responsáveis de café, cacau e chá. Segundo o relatório, repassa Melo, o número de fazendas certificadas teve um crescimento de 34 em 2014 para 80 em 2015 (135%), com uma cobertura de aproximadamente 10 mil hectares, distribuídos pelos estados da Bahia e Espírito Santo. “Nossa expectativa é chegar a 200 fazendas certificadas até 2019”, indica o executivo. Melo, da Cargill certificação UTZ em 200 fazendas até 2019. A empresa também reporta no documento que 75 produtores no sul da Bahia têm sido beneficiados com treinamento e capacitação. Os fazendeiros aprimoram seus conhecimentos sobre tecnologia e suporte técnico de auxílio à melhor produtividade, enquanto a comunidade é beneficiada com projetos que melhoram seu meio ambiente,

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorQuem não gosta?
Próxima matériaAlta persistente