Avanço gelatinoso

Demanda de balas de gelatina avança mesmo com preço mais alto e atrai investimentos

Gomas de gelatina crescimento explosivo puxa expansões na produção.
Com margem até 400% superior a balas tradicionais, o segmento de gomas de gelatina vem polarizando as atenções do trade doceiro e investimentos na ponta da produção. Enquanto o filão de balas duras e mastigáveis se mantém estável, a categoria à base de gelatina cresce muito acima da média do setor. Essa demanda aquecida mobiliza a espanhola Sánchez Cano, detentora da marca Fini, que investe na ampliação de sua fábrica em Jundiaí (SP). Dados coletados no varejo indicam que o quilo da bala de gelatina é vendido entre R$ 32 e R$ 67, enquanto o preço da bala dura/mastigável oscila entre R$ 7 e R$ 21 o quilo. Com apelo saudável, menos açúcar e colágeno na formulação, as balas de gelatina vêm seduzindo tanto o público infantil quanto o jovem adulto, mesmo com preço mais alto. A empresa informa que suas vendas cresceram 25% no primeiro semestre e, se manter esse ritmo, deve atingir receita de R$ 500 milhões até dezembro, projeta Donizeti Ferreira, diretor financeiro da Fini. Em julho, acrescenta ele, a companhia iniciou a construção de uma nova fábrica, que vai ampliar em 75% a capacidade atual da planta de Jundiaí. O projeto prevê investimento de R$ 70 milhões feito com recursos próprios a ser aplicado ao longo de três anos, confirma Ferreira, assinalando que a meta é chegar à liderança do setor de balas de gelatina no país. A marca é vendida hoje em 180 mil lojas, mas o executivo prevê chegar a 250 mil pontos de

 

Para continuar lendo cadastre-se gratuitamente.

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.
Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo.

 

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório