Candies apresentações são importantes para ciclo virtuoso no setor de confectionery.
Com volume bruto de produção na casa de R$ 55,1 bilhões, o setor nacional de embalagens apresentou em 2014 recuo de 1,47% na produção física em relação ao mesmo período de 2013, capta a Abre (Associação Brasileira de Embalagem). Segundo o Estudo Macroeconômico da Embalagem Abre/FGV “Desempenho da Indústria de Embalagens: Retrospectiva 2014 e Perspectivas 2015”, realizado em parceria com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), o exercício de 2015 deve requerer particular atenção. Afinal, além de a confiança do consumidor diminuir, a política econômica mais restritiva e o ajuste fiscal jogam combustível na desaceleração da economia. Segundo previsão das duas entidades, o ambiente internacional ainda está longe da normalidade e uma possível retomada da indústria de embalagem não deve ganhar força antes de 2016. Com fatia generosa da área alimentícia, o ramo de embalagens flexíveis aposta no avanço tecnológico para atender às novas demandas, especialmente

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados.

Se você já é usuário, faça login.
Novos usuários podem se cadastrar abaixo gratuitamente.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
COMPARTILHAR
Matéria anteriorMantendo o pique
Próxima matériaCampo fértil